24/07/2024 +55 (99) 9999-9999

Esporte/Cotidiano

PF cumpre mandados de prisão contra investigados por "Abin paralela" durante governo Bolsonaro

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 11, a 4ª fase da Operação Última Milha.

Por Agencia de Notícias ODIA1 11/07/2024 às 11:00:08

Foto: ISTOÉ Independente

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 11, a 4ª fase da Operação Última Milha. O objetivo é desarticular organização criminosa voltada ao monitoramento ilegal de autoridades públicas e à produção de notícias falsas, utilizando-se de sistemas da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Segundo a PF, os agentes cumprem cinco mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, nas cidades de Brasília (DF), Curitiba (PR), Juiz de Fora (MG), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

"Nesta fase, as investigações revelaram que membros dos três poderes e jornalistas foram alvos de ações do grupo, incluindo a criação de perfis falsos e a divulgação de informações sabidamente falsas. A organização criminosa também acessou ilegalmente computadores, aparelhos de telefonia e infraestrutura de telecomunicações para monitorar pessoas e agentes públicos", informou a PF.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito, interceptação clandestina de comunicações e invasão de dispositivo informático alheio.

"Abin paralela"

A Polícia Federal apura o uso indevido da estrutura da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante o governo passado para espionar adversários políticos, jornalistas e ministros do Supremo Tribunal Federal. Foi identificado que a Abin teria realizado cerca de 33 mil monitoramentos ilegais.

De acordo com as investigações, o sistema de geolocalização utilizado pela Abin é um software chamado FirstMile, que é capaz de invadir a rede de telefonia do País para, a partir do número de celular, saber a das pessoas sem a devida autorização judicial. O equipamentos foi adquirido com recursos públicos, mas seu uso teria sido desviado por servidores da agência.

Em outubro de 2023, a PF cumpriu 21 mandados de busca e apreensão, no âmbito da Operação Última Milha, em endereços ligados a suspeitos de aparelhar a Abin. Um dos alvos foi o ex-diretor da agência, o atual deputado federal e pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro Alexandre Ramagem (PL-RJ). Ramagem comandou a Abin entre 2019 e 2022.

No mesmo mês, uma nova fase da operação fez buscas na residência do vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho "02" do ex-presidente. Foram apreendidos um celular do vereador, notebook, computadores desktop e documentos.

Já em janeiro deste ano, a PF cumpriu novos mandados de busca e apreensão, além de medidas cautelares diversas da prisão, incluindo a suspensão imediata do exercício das funções públicas de sete policiais federais.

Isto É

Fonte: https://www.polemicaparaiba.com.br/

Comunicar erro
Comentários